imprensainvestigativa

15 de junho de 2011

Andréia Albertini – Depois do escândalo, a morte

Filed under: Celebridades — imprensainvestigativa @ 1:40

Por Jefferson M.

 

Depois do escândalo envolvendo o jogador de futebol Ronaldo Nazário, em abril de 2008, André Luiz Ribeiro, de 22 anos, mais conhecido como travesti Andréia Albertini, foi novamente capa dos jornais de todo o país, mas, desta vez, não pode desfrutar de mais 15 minutos de fama, pois em julho de 2009, amanheceu morto no hospital Doutor Radamés Nardini, na cidade de Mauá, interior de São Paulo.

De acordo com sua mãe, Sônia Ribeiro, Andréia estava com depressão e não havia se acostumando com o tempo frio do interior paulista; por conta disso, resolveu ficar o tempo todo dentro de casa. Sônia teria estranhado a reclusão do filho e resolveu ver o que acontecia, foi quando se deparou com Andréia sem forças em cima de um sofá, dentro de seu flat, e o levou para o hospital.

Inicialmente, a equipe médica da unidade havia dito que Andréia tinha sido vítima de meningite e pneumonia, mas pouco tempo depois, um novo laudo indicava a morte por AIDS.

Andréia Albertini ganhou a mídia depois de se envolver com o jogador Ronaldo. O craque teria contratado os serviços sexuais do homossexual junto com outros dois travestis e passado a madrugada dentro de um motel na Barra da Tijuca praticando sexo e usando drogas.

Relembre o caso que envolveu Andréia Albertini e Ronaldo:

 

 

 

 

Anúncios

Michael Jackson x Propofol – Uma dose que mata

Filed under: Celebridades — imprensainvestigativa @ 1:19

Por Jefferson M.

Era 25 de junho de 2009 quando o mundo acordou com uma notícia lamentável. Morria naquele dia um ídolo do Pop, Michael Jackson. Segundo a polícia, o cantor passou mal dentro de sua mansão em Beverly Hills depois de sofrer um ataque cardíaco. Na época, Michael tinha 50 anos e vivia na casa com os filhos.

Segundo laudo de peritos, o artista foi vítima de doses letais de um sedativo conhecido como Propofol. O médico pessoal de Michael Jackson, Conrad Murray, teria confessado aos investigadores norte americanos que havia fornecido o coquetel de remédios ao astro. Depois de quase oito meses da morte do cantor, a justiça resolveu indiciar Murray por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

Durante audiência realizada em fevereiro de 2010, o juiz Keith Shwartz, do tribunal superior de Los Angeles, ordenou a apreensão do passaporte do médico, além de proibir a administração de receitas aos pacientes. Se for condenado, Murray pode pegar até quatro anos de prisão. Uma nova audiência sobre o caso foi marcada para setembro deste ano (2011). Os advogados do acusado pediram mais um tempo para preparar argumentos contra testemunhos de especialistas.

Entenda mais sobre o Propofol. Confira entrevista com cardiologista.

 

 

 

 

Caso Daniela Perez. Um crime sem ficção

Filed under: Celebridades — imprensainvestigativa @ 0:42

Por Jefferson M.

 

Morta no dia 28 de dezembro de 1992, a atriz Daniela Perez, na época com 22 anos, foi vítima de um colega de trabalho, o ator Guilherme de Pádua. Ele, com a ajuda de sua esposa Paula Thomaz, levou Daniela para um matagal na Rua Cândido Portinari, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, onde a atacou com golpes de tesoura. Segundo a perícia, foram dadas 18 tesouradas contra a atriz, que morreu no local. Ela teve quatro perfurações no pescoço, seis no peito e outras quatro que acabaram atingindo os pulmões.

Acima de qualquer suspeita devido contracenar, na época, com a vítima na novela De corpo e alma, Guilherme de Pádua chegou a ir ao sepultamento de Daniela e consolar o companheiro da atriz, o ator Raul Gazolla, e a mãe da vítima, a escritora Glória Perez. O casal de assassinos logo foi preso. No dia 29 de dezembro daquele mesmo ano, policiais foram ao apartamento de Guilherme e o levaram para a delegacia, onde o acusado acabou confessando a autoria do crime. Já Paula, confessou a participação no fato, mas negou a autoria.

O casal foi julgado em 1997 e condenado a 19 anos de prisão. Poucos meses depois Paula Thomaz foi condenada a 18 anos e seis meses de reclusão em regime fechado, mas teve a pena reduzida para 15 anos de prisão. Depois de sete anos preso, o casal foi beneficiado e cumpriu parte da pena em liberdade.

A indignação popular e os esforços de Glória Perez, fizeram com que se criasse um abaixo assinado onde através desta medida resulta-se na alteração da legislação penal, onde a lei fez com que o homicídio qualificado fosse  incluído no rol dos crimes hediondos, que recebem tratamento legal mais severo e impossibilitam o pagamento de fiança e o cumprimento da pena em regime aberto ou semi-aberto.

A seguir, você assiste um vídeo que conta como tudo aconteceu:

 

 

 

Morre a Lacraia do Funk

Filed under: Celebridades — imprensainvestigativa @ 0:05

Por Jefferson M.

O dançarino Marco Aurélio da Silva, conhecido como Lacraia

O Dançarino de Funk Marco Aurélio da Silva, de 34 anos, conhecido em todo o Brasil pela personagem Lacraia, morreu na manhã do último dia 10 de maio, depois de ficar internado no Hospital Universitário Gafree Guinle, no bairro Tijuca, Zona Norte do Rio. Em contato com a assessoria de imprensa do hospital, a informação é que os jornalistas não estão autorizados a passar informações sobre o caso, mas, amigos disseram que o dançarino sofria de uma doença crônica e estava internado na unidade há vários dias.

A suspeita é de que Lacraia estava com AIDS, pois o Hospital Gafree Guinle, que pertence a Universidade Federal do Rio de Janeiro, é credenciado como centro de referência na doença.

O Dançarino fez sucesso na companhia de MC Serginho. Os dois, que faziam dupla e participavam de shows de funk por todo Brasil, se destacaram com os sucessos “Vai Lacraia” e “Égua Pocotó”.

O corpo do artista foi enterrado no cemitério de Inhaúma, Zona Norte da cidade.

 

Vídeo da polêmica sobre os beijos que lacraia dava em seus shows: